Pular para o conteúdo
« Voltar

DMP adota planejamento e austeridade para economizar R$ 1 milhão aos cofres públicos

12/01/2018 15:49
9259 visualizações

A Diretoria de Material e Patrimônio (DMP), responsável pela operacionalização da cadeia de suprimentos do Poder Judiciário de Santa Catarina, contabilizou economia aos cofres públicos superior a R$ 1,2 milhão nestes últimos dois anos, resultado da política de negociar valores com fornecedores, colocada em prática de forma exitosa em 315 contratos firmados justamente para fazer frente ao cenário de crise econômica enfrentado.

O Planejamento Institucional de Licitações (PIL), adotado nesse período, deu mostras de seu acerto. Documento dinâmico que contém todas as demandas por contratações do Poder Judiciário, ele fixa prazos necessários para a tramitação da contratação, seja por meio de licitação, dispensa ou inexigibilidade de licitação.

O gerenciamento das demandas por todas as unidades requisitantes, em parceria com a DMP, também aumentou a eficiência nas contratações: houve redução do número de processos licitatórios realizados (decorrente da análise das demandas e aglutinação de objetos com afinidade e por categoria) e incremento de 50% no número de contratações exitosas, em comparação aos índices obtidos até 2015.

Tal resultado também encontra suporte nas ações de capacitação e treinamento de mais de 70 servidores realizadas pela DMP na Academia Judicial em 2017, com inegável reflexo nos processos de planejamento das contratações realizadas pelo Poder Judiciário. A intenção, a partir deste ano, é que o planejamento das contratações passe a contar com a etapa de gerenciamento de riscos a fim de mitigar ou minimizar suas consequências ou, em casos inevitáveis, direcionar a soluções de contingência para a manutenção do atendimento ao interesse público.

A diretoria, durante a gestão, buscou ainda ampliar a competitividade e imprimir maior transparência nas licitações, feitos obtidos ao reduzir em mais de 55% as contratações diretas efetuadas através de requisições de compras. Por fim, houve também uma força-tarefa com enfoque na redução de desperdícios, seja por meio do acompanhamento do comportamento de consumo de bens estocáveis - a exemplo do papel, com redução de 9,32% na distribuição em 2016 e de 20,88% em 2017 - ou do acompanhamento das ocupações e desocupações de imóveis quanto ao reaproveitamento de mobiliário, com redução de até 38% na necessidade de aquisição de mobiliário.

 
 
Fotos: Divulgação/Pexels
Responsável: Ângelo Medeiros - Reg. Prof.: SC00445(JP)
Textos: Américo Wisbeck, Ângelo Medeiros, Daniela Pacheco Costa e Sandra de Araujo